Rio Revolta

Análise Política, Histórica, Econômica e Social

Vandalismo e Ruptura

Poder Popular

Quando o carro velho do trabalhador da rádio Tupi foi incendiado na histórica manifestação da Alerj dia 17 de Junho, foi impossível não sentir sincera pena do sujeito. Apesar do emblemático nome, o Versalles(1) do radialista não deveria ser um alvo de manifestantes enfurecidos com as agruras do sistema, numa das cidades mais desiguais do mundo. Não há significado algum em queimar um veículo velho de um trabalhador. Aquele automóvel não representa “opressão” nenhuma, ao contrário, pode-se até, num toque de humor, considerar um carro 1993 ainda em uso como “resistência ao consumismo”, oposto do fetiche consumista automobilístico baseado em endividamento no crediário, fenômeno típico da atualidade, “ou você tem ou você não tem”.

Naquele emblemático dia também foi atacado e saqueado um pequeno comércio local: uma farmácia familiar, uma loja de sandálias, revenda de chocolates e um restaurante. Mesmo na grande mídia, diante do imenso impacto que teve a tentativa de tomar a Alerj por parte dos manifestantes e a profusão de protestos grandes pelo país, a ênfase na destruição foi moderada e focou-se mais em compreender a natureza, reivindicações e as pautas (ou ausência delas). O foco não estava na violência, certamente maior que a violência recente no bairro nobre onde mora Sérgio Cabral. A pequena farmácia na rua da Assembléia não tem o mesmo valor das vitrines da Toulon no Leblon. Existem proprietários e Proprietários. “Ou você tem ou você não tem”.

Então, em meio ao desnorteio generalizado, seja da mídia, partidos ou maioria das entidades que se dispuseram a entender o assunto, não foram incomuns as apologias ao vandalismo, como forma legítima de expressão revoltosa de uma população dando um “basta” de verdade, não aquele abracinho bonito na Lagoa. Alguns levantaram o argumento que a “violência contra a propriedade” é um meio legítimo de ataque contra a ordem estabelecida, que a destruição de lojas e carros aleatórios se inserem numa lógica de resistência e combate anti-capitalistas, do povo oprimido revidando como pode a opressão do dia a dia, evocando superficialmente aquela velha máxima: “não confunda a reação do oprimido com a violência do opressor”, tanto parafraseada aqui no blog. Alguns como Boechat, colocaram o vandalismo como posicionamento radical diante da completa desconexão do poder constituído da população. Outros evocaram essa violência como forma de oposição concreta a qualquer tipo de autoridade, numa espécie “orgânica” do anarquismo destrutivo, não ligado profundamente à qualquer corrente libertária identificável no Brasil ou mesmo consciente de sua própria anarquia, lembrando mais a violência do anarco-ilegalismo do que qualquer outra coisa.

Por mais que haja uma certa coerência na maioria destes pensamentos, como se os pequenos proprietários atingidos fossem mais um “dano colateral” de um processo muito maior. Apesar de seu caráter aparentemente ruim, haveria uma validade intrínseca no “ataque direto a qualquer  propriedade como forma de luta anti-capitalista”, mesmo nos pequenos proprietários. Porém, tem ficado claro atualmente o diagnóstico que Marx fez sobre o movimento Luddita: “deu ao governo anti-Jacobino […] o pretexto para as mais reacionárias e violentas medidas” (O Capital, pg. 554, citado aqui) e que, assim, o que ficará num futuro próximo é – novamente – a forte criminalização das manifestações e possivelmente, a aprovação da lei anti-terrorismo no Brasil, à maneira como foi feita nos EUA (2). Por isso, vale uma relida no famoso panfleto de 1848, onde podemos encontrar:

“[…] Censuram-nos […] por querer abolir a propriedade pessoalmente adquirida, fruto do trabalho do indivíduo, propriedade que declaram ser a base de toda liberdade, de toda independência individual. A propriedade pessoal, fruto do trabalho e do mérito!

Pretende-se falar da propriedade do pequeno burguês, do pequeno camponês, formas de propriedades anteriores à propriedade burguesa?

Não precisamos aboli-la, porque o progresso da indústria já as aboliu e continua a aboli-las diariamente.

Ou por ventura pretende-se falar da propriedade privada atual, da propriedade burguesa?” (Manifesto Comunista, Cap II, página 30)

Sob a mais simplista observação, há uma evidente diferença entre a Bayer e a “farmácia do Seu João” destruída na manifestação, ou entre a Monsanto ou agro-indústria latifundiária e o “Seu Severino” cultivador de aipim no interior do Rio; há uma diferença clara entre a Bolacha Discos e a Sony Music; é como comparar a Fifa à associação de jogadores do Aterro do Flamengo. É, portanto, difícil não notar que mais e mais farmácias pequenas (“do Seu João”), são repostas por redes nacionais e internacionais de farmácia, em fusões e aquisições (caso exemplar da Pacheco fundida com a Drogaria São Paulo) ou que o comércio local vai gradativamente sendo reposto por Walmart, Pão-de-Açúcar, Carrefour e Lojas Americanas entre outros.

O resultado lógico da concorrência capitalista é a concentração, formando monopólios e oligopólios – “só pode haver um” – e, desta maneira, o pequeno comércio familiar local é também, um tipo de resistência ao grande capitalismo predatório, que domina e corrói o Estado por dentro. O “Seu João” não financia campanhas políticas, não influencia processos decisórios públicos através de lobbies que favorecem os seus, ao contrário das corporações. Especialmente num país como o Brasil, onde o pequeno proprietário paga proporcionalmente muito mais impostos que os grandes empresários; onde a família dona de “biroscas”, “padocas”, vendinhas e armarinhos, faz jornadas de trabalho estafantes e dificilmente tem liquidez maior do que 4 ou 5 vezes a remuneração média de seus funcionários (uma distribuição de renda semelhante à Noruega), é difícil  no momento justificar a destruição destes estabelecimentos sob bases “revolucionárias” coerentes. No Brasil, existem proprietários e Proprietários.

Porém, uma das questões fundamentais levantadas pelo vandalismo é no campo político, representou algo há algumas décadas esquecida por nossa população: a quebra real do paradigma da “inviolabilidade” do Estado e da – ainda que temporária – quebra do seu monopólio do uso da violência legítima. Quebrou o monopólio da violência de forma política, muito diferente dos Estado Paralelos, formados por traficantes em regiões de fronteira, dentro das grandes cidades que não tem pretensão política e ideológica. Assim, quando os quebra-quebras surgiram como revolta disruptiva, parte significativa da população apoiou os meios usados pelos manifestantes, foi até constrangimento no show reacionário do Datena, quando numa votação ao vivo, os telespectadores deram 70% dos votos “a favor da baderna” e violência dos manifestantes.

Não foi notável, fato perceptível até aos mais leigos dos observadores, como a grande imprensa mudou de opinião temporariamente sobre a violência das manifestações?! Entre o dia 17 e o dia 20, quinta-feira também histórica, a grande imprensa que, a exemplo do Jabor (entre os mais cretinos que mudaram de opinião “do nada”), em oposição ao que sempre fez em relação a qualquer manifestação popular, resolveu insuflar mais ainda os ânimos, clamando que o povo continuasse nas ruas numa esperança de desestabilizar o governo que abomina, tentando de todo jeito pautar as manifestações num vazio “anti-corrupção lampedusiano”, levando às ruas todo tipo de gente, de coxinhas à nazistas. E oras, qualquer um com o mínimo de consciência, dado os nervos à flor da pele como estavam aqui no Rio, tinha certeza que as grandes manifestações pós-17 de junho acabariam em violência destrutiva, seja contra o Estado ou propriedades adjacentes. E, lógico, a grande repressão policial serviu – e serve – como ponto catalizador de revolta pois não foram poucos os que decidiram sair quebrando tudo após a repressão policial começar “do nada”, quando as manifestações seguiam pacíficas.

E, quando num intervalo de poucos dias, a mesma imprensa (especialmente a televisiva), voltou ao seu padrão normal, inicialmente durante a primeira manifestação contra o Cabral no Leblon, que os jornais ficaram “horrorizados” porque a polícia tinha ido longe demais pois tinha criança do Leblon tossindo por causa das bombas de gás (3) e na mais absoluta normalidade ignorou completamente a chacina de moradores da Maré, mesmo com a polícia admitindo que alguns “não eram bandidos” (4). Depois além de ainda prosseguir ignorando os mortos da Maré, também ignoraram o sumiço do trabalhador da Rocinha Amarildo, para dar ênfase a uma vitrine da loja Toulon, com direito ao burguês Ballesteros (5) chorando na TV pela “maldade praticada” e moradores do Leblon colando flores para manequins e vidros quebrados“, numa nova e vergonhosa demonstração das prioridades da classe alta carioca. Nova porque a brutal repressão policial durante a festa privada dos Barata no Copacabana Palace foi acompanhada de um clima de Bastilha, mostrando a completa desconexão com a realidade da alta burguesia brasileira.

Desta forma, o vandalismo serviu a um segundo propósito, desnudou completamente o oportunismo e desfaçatez da grande mídia brasileira. Não foi por acaso que sistematicamente os jornalistas da Globo foram expulsos das manifestações, um carro do SBT foi queimado e logo depois que a “poeira baixou”, uma dezena de manifestações contra a Rede Globo ocorreram, algumas bastante expressivas (em São Paulo por exemplo). Conhecendo nossa mídia, não seria forçado crer que não fosse o vandalismo e claro, a excessiva violência da polícia, independente da cidade, mas em especial no Rio, São Paulo e Minas Gerais, os protestos no geral não seriam mais do que nota de rodapé dos grandes meios de comunicação. Pois agora que eles têm pautas mais nítidas e a oposição ao monopólio da mídia é recorrente, as manifestações somem dos holofotes e focam, em parceria com o cretino governo do Cabral, no vandalismo e nas depredações.

Num terceiro ponto, o vandalismo contra agencias bancárias (Itaú foi um foco principal aqui no Rio) e contra órgãos do governo é auto-explicativo. No Brasil cada R$1,00 arrecadado em impostos pelo governo, 42 centavos vão diretamente para o setor bancário para pagar uma dívida pública que não é auditada desde 1931. Itaú e Bradesco estão entre os maiores credores da nossa dívida pública e os escorchantes juros cobrados aqui, o sexto maior juros real do mundo, são largamente influenciados pelo mesmo setor financeiro que se beneficia deles (6). Assim, não é “surpreendente” ou mesmo “desproposital” o vandalismo contra os bancos, em termos monetários é pouquíssimo diante do imenso roubo que nos fazem diuturnamente. Já dizia o baixinho russo: “o que é um assalto a banco diante da criação de um banco”. E foram realmente raros os depoimentos populares contra a depredação de agências bancárias.

Quanto aos órgãos públicos, a revolta é evidente e demonstrou fisicamente e seguidas vezes, uma revolta contra contra o que o poder constituído tem feito, tema que abordamos há algumas semanas. É importante notar esta diferença, as pautas têm se mostrado contra o que o poder constituído tem feito e não contra o poder constituído em si. Essa segunda vertente tem se mostrado bastante minoritária e é por isso, que agora que as pautas são mais identificáveis, é possível notar um evidente enquadramento das manifestações dentro do sistema, como aquela oposição que apenas reforça a ordem estabelecida, ajusta a máquina. Numa hora pedem o fim de uma PEC ou validação de uma outra; depois pedem mais verbas para educação; pedem mais transparência ao governo; maior participação no processo decisório; frequente a ordem é para trocar os líderes, mas em raros momentos questionam a estrutura que levou estes líderes ao poder. Pautas opositoras à Rede Globo, à privatização do Maracanã, contra  a truculência policial e a cartelização do transporte coletivo, se somadas à pauta pela educação de qualidade, são marcas clássicas do Brizolismo Carioca. Nada de revolucionário, apenas progressista.

Assim, podemos resumir que o vandalismo serviu a alguns propósitos importantes. Primeiro quebrou o paradigma da inviolabilidade do Estado, quebrou de maneira pólitica, ainda que temporariamente, o seu monopólio da violência. Segundo, ele escancarou o posicionamento ideológico da mídia, o que para muitos “que dormiam” era o da mais absoluta neutralidade, agora já não é tão inquestionável assim, passo importante para a completa politização da questão. Terceiro a destruição frequente de agências bancárias demonstrou que, mesmo disruptivamente, os revoltosos sabem que muito do podre que criticam no poder público reside no sistema financeiro. E mesmo que tomemos a perspectiva de alguém externo aos protestos, o que fica é a emblemática destruição de um banco, e com a máscara da mídia começando a ser desvendada, o questionamento de “por que atacar um banco?” pode não ser respondido pelos mesmos agentes que os querem lá e assim, tornar-se uma pauta real na cabeça da população.

O vandalismo por fim, mostrou de maneira clara que o brasileiro têm o ímpeto necessário para uma quebra violenta de paradigma. A politização excessiva que os protestos suscitaram, exatamente por serem violentos, deixou mais claras as contradições evidentes em nossa sociedade, tornando mais visíveis o engendramento econômico no poder político constituído e na vida cotidiana, onde lojas são mais importantes que vidas humanas. É difícil que os que anteriormente viam com passividade ou desdém os desmandos do sistema e a violência necessária da PM para mantê-lo inquestionável, continuem neutros diante de tamanhos disparates.

Assim, principalmente se o vandalismo deixar de lado uma parte que ainda é um hooliganismo barato que mais parece saída de jogo no (antigo) Maracanã do que protesto, e for sistematicamente adotado como prática disciplinada, anti-corporativa e anti-sistêmica, confrontando bancos, lobistas e grandes corporações que sustentam o corrupto sistema político eleitoral, seu sentido pedagógico será bastante relevante, e justificará retroativamente todos os excessos como necessidades históricas momentâneas de um processo maior de ruptura.

José Livramento

Notas:

1 – Palácio de Versalles foi tomado por revolucionários durante a revolução francesa.

2 – Após o 11 de Setembro, os EUA chegaram a considerar o Greenpeace um grupo terrorista, da mesma forma que a direita tentava enquadrar o MST aqui.

3 – Nesse momento já haviam matado 10 pessoas na Maré.

4 – Não entrarei no mérito da polícia “Lei e Ordem” que mata antes e pergunta depois, comum às nossas metrópoles, matando indiscriminadamente bandidos em região de fronteira, num cenário que mais parece guerra do que qualquer outra coisa.

5 – A Família Ballesteros é dona da Aymoré Biscoitos, da Toulon e da Elmo Calçados. Altíssima burguesia de MG, com todos os problemas típicos da nossa alta burguesia.

6 – Até recentemente, o ex-presidente do Bank Boston, Henrique Meirelles, era o presidente do Banco Central!

*editado posteriormente para corrigir erros gramaticais.

Anúncios

3 Respostas para “Vandalismo e Ruptura

  1. Pingback: A democracia e o mito da sua representação pacífica | Coletivo Rio Revolta

  2. Pingback: De derrota em derrota

  3. Pingback: De derrota em derrota até a vitória final | Rio Revolta

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: